agosto 29, 2013

Análise Zelda The Wind Waker

0 comentários

Bom dia galera sei que vocês me vem (leem) mais eu dando as noticias do que escrevendo artigos meus mesmo, mas hoje vou postar algo que estava preparando desde a semana passada pode parecer antigo mas com o lançamento do remake e como acho que boa parte dos leitores não teve a oportunidade de jogar o original preparei uma analise do clássico do Game Cube: Zelda The Wind Waker, sem mais delongas, leiam e deixem seus comentários:

Muito tempo atrás no longínquo ano de 2003, um pouco depois do fim da parceria entre a Nintendo e Gradiente do Brasil foi lançado esta obra – prima do mundo dos games, mas nem tudo são flores, me lembro bem que logo que foi divulgado como seria os gráficos foi uma chuva criticas falando que infantilizaram o Link ainda mas depois de mostrar o visual dele como lutador extra de Soul Calibur II (Exclusivo do Game Cube),hoje tenho certeza que o visual não poderia ter sido melhor.


Link corre, pula, navega, se espreme em corredores estreitos, entre em combates de maneira tão fluida que seja a impressionar mesmo depois de 10 anos do seu lançamento, chego a dizer que de todos os Zeldas foi o que melhor envelheceu.

Uma das maiores novidade do jogo foi à adição da navegação que fazia parte de praticamente tudo no jogo, muita gente reclamou também que as viagens eram longas e quebrava o ritmo do jogo, eu por outro lado adorava navegar, descobrir os segredos, negociar com os comerciantes, ver as gaivotas e o quebrar das ondas no veleiro.

As Dungeons, nossa como eram divertidas e imersivas (não eram lá muito difíceis, mas também não era nenhuma moleza), todas elas foram marcantes, principalmente quando tínhamos que passar sem ser visto e como era bacana ver os efeitos de animação no rosto do Link, ele prendia a respiração, anda nas pontas dos pés e se esgueirava pelos cantos dos cenários, a animação do jogo era primorosa e tudo se encaixa perfeitamente fazendo com que minutos de jogo se transformassem facilmente em horas e no meu caso dias (Wind Waker foi o motivo de eu enlouquecer de estudar no final do ano pra poder terminar o 1° grau).

Chefões esses sim eram desafiadores (Menos o Shadow Knight que esse ridiculamente fácil) , Gargantua Bird, Anciente Statue e principalmente Desert Sand Ray eram pra fazer eu arrancar os cabelos de raiva.
No geral eu não tenho palavras pra descrever o quanto esse jogo marcou a minha vida, tudo nele é tão perfeito e imaginativo que fica difícil achar alguma coisa ruim nele, só posso dizer pra quem ainda não jogou que corra e arranje um jeito de apreciar essa maravilha, ou não deixe passar a oportunidade se você já tiver o Wii U, agora deixa eu tirar a poeira do Game Cube e jogar mais um pouquinho.

Nota 10


PS: Como ainda não tenho o Wii U, vou jogar no Game Cube e preparar pra vocês um guia com os segredos e como derrotar os chefes mais cascudos espero que gostem.





Leave a Reply

Comente!

About

eXTReMe Tracker

Pesquisar